• Sage

EXPORTAÇÃO: UM MUNDO DE OPORTUNIDADES



Um tema de destaque atualmente entre empresas tem sido a exportação, a qual pode ser definida como a venda de produtos ou serviços para exterior. Apesar de o cerne do processo ser relativamente básico, ele pode ser dividido em diversas categorias por tipos de técnicas para se levar um produtor ao exterior. Entre as mais comuns estão a exportação direta e a indireta. Na primeira, a empresa produtora se responsabiliza por todo o processo, possuindo o necessário conhecimento técnico e legislativo para tal. Já na segunda, por não dominar essas informações, é comum que empresas vendam seus produtos para intermediários exportarem, sendo geralmente essa a função de Trading Companies. Como alternativa, também é comum que empresas que realizam exportação indireta procurem assessoria para se habilitarem a realizar esse processo por si próprias. Para isso, empresas consultoras como a Sage - Soluções Globais são de grande importância, pois nossos serviços de Análise e Seleção de Mercados Alvo conseguem facilitar o processo inicial da jornada para integrar a empresa no mercado internacional, já que eles dão acesso a uma perspectiva técnica baseada em análises profissionais sobre diferentes mercados estrangeiros.

Independentemente de qual seja o método que utilize, a exportação será uma atividade econômica que trará alguns benefícios que podem ser de extrema importância para o seu desenvolvimento pessoal e comercial. Conheça abaixo alguns dos principais pontos da exportação que podem favorecer o seu negócio:


Diminuição da dependência do mercado interno


O Brasil, mesmo possuindo um mercado consumidor grande, contando com uma população de quase 210 milhões de habitantes e estando entre as 10 maiores economias do mundo, ocupando a nona posição, passa por oscilações econômicas e crises que podem afetar negociações de produtos e serviços. Dessa maneira, uma maior independência do mercado interno é importante para garantir uma boa venda caso a economia interna enfrente desafios, pois a empresa fica menos vulnerável às recessões. Diversificar seu mercado significa correr menos riscos. Ainda, pode-se mencionar a sazonalidade: algumas empresas produzem produtos sazonais, como por exemplo, roupas de inverno, ou seja, mesmo que seja verão no Brasil, ainda poderão vender sua produção para os lugares que estão mais frios.


Melhoria da Empresa



As possibilidades de fazer exportações acabam por ser um incentivo para a empresa fazer melhorias e investimentos, com o objetivo de oferecer um produto de qualidade e que agrade os mais diversos mercados. Assim, são buscadas novas tecnologias de maquinário, qualificação de mão de obra (ações que melhoram a qualidade do produto) e também nos setores administrativos, com melhorias nas gestões. Além disso, a imagem da marca precisa se fortalecer para ser atrativa para novos clientes e ser mais competitiva no mercado internacional.


Aumento de vendas



Ao se inserir em novos mercados, aumenta-se a gama de consumidores e possíveis consumidores dos produtos exportados pela empresa. Com o aumento das vendas, a empresa consegue obter um lucro maior. Contudo, é importante frisar que esse aumento no lucro nem sempre é algo que acontece nos primeiros momentos: muitas vezes, exportar é um investimento de longo prazo e precisa ser pensado com antecedência e com o auxílio de empresas especializadas, como a Sage.


Aumento da Produtividade



Quando uma empresa começa a exportar, sua produção aumenta numérica e qualitativamente. Isso ocorre devido a redução da capacidade ociosa existente, que é obtida por meio da revisão dos processos produtivos.

Com o aumento da produção, naturalmente, aumenta também a capacidade de negociação para a compra de matéria-prima. Com isso, o custo da fabricação das mercadorias tende a diminuir, tornando-as mais competitivas e aumentando a margem de lucro.


Melhora da qualidade do produto



Outra vantagem bastante perceptível é a melhoria da qualidade do produto. Esta também tende a aumentar, pois a empresa tem que adaptá-lo às exigências do mercado ao qual se destina, o que a obriga a aperfeiçoá-lo. O mercado externo exige que seu produto tenha um nível ótimo de qualidade, não apenas na concepção final deste, como também nos processos, gestão de pessoas e práticas ambientais. Com estas exigências, seu produto se torna mais competitivo tanto no mercado externo quanto no interno.

Ao tornar-se uma empresa exportadora, a sua imagem muda. O seu nome e a sua marca passam a ser uma referência em relação à concorrência, e ela passa a ser vista como uma empresa de produtos de qualidade.

Os compradores no exterior são bastante exigentes, e tanto os clientes quanto os fornecedores sabem que a empresa que está exportando consegue colocar seu produtos no exterior graças ao seu esforço em se tornar mais competitiva.

A empresa passa a gerar novos empregos, devido ao aumento da produção, e os funcionários passam a sentir orgulho de trabalhar em uma empresa que exporta seus produtos.


Contato com novas tecnologias



Com a exportação, o benchmarking é ampliado. Benchmarking, é o processo de busca das melhores práticas numa determinada empresa e que conduzem ao desempenho superior, sendo assim possível conhecer diversas novas tecnologias dentro de sua área de atuação nos diferentes mercados que estiver atuando, além disso, também conseguirá melhorar o networking nas diversas feiras e eventos internacionais do qual poderá participar.


Maior Lucratividade



Com a recente alta do dólar, muitas empresas têm focado suas atividades produtivas na exportação. Isso se deve a tendência constante de desvalorização da nossa moeda nos últimos anos, o que tem tornado mais atrativo a venda de produtos no mercado internacional. Quanto mais alto o preço do dólar, maior o preço convertido em reais.

Como consequência, alguns produtos de baixo valor agregado que possuem preços baixos no mercado interno podem render mais no mercado internacional, mesmo custando relativamente pouco em dólares também. Essa é a razão do aumento das exportações de certos produtos recentemente, como a soja e o arroz.


Incentivos Fiscais


A exportação tende a ser estimulada por todos os governos do mundo como forma de manter uma balança comercial favorável estável. Por isso, é comum a existência de programas estatais de suporte a esse tipo de atividade e/ou de incentivos fiscais para baratear os custo desse processo. No Brasil, a prática para tal é a desoneração do exportador. Impostos como IPI, ICMS, IOF e ISS não incidem sobre produtos brasileiros a serem exportados. Além disso, Contribuições Sociais e de Intervenção no Domínio Econômico, tais como o Programa de Integração Social e o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PIS/PASEP e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS também não incidem sobre esse tipo de produto. Outrossim, de acordo com MDIC (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços), o exportador tem o direito ao crédito gasto com essas taxas para conseguir insumos para produção de produtos a serem exportados. Ou seja, esses impostos não incidem sobre o preço do produto final, fazendo com que o preço dele seja mais competitivo no mercado internacional.


Adquirir Conhecimento de Mercado


O mercado nacional não precisa ser o limite. Muitas empresas que não conseguem mais expandir seus negócios nacionalmente vêem na exportação uma oportunidade para retomar o crescimento. Entretanto, uma preocupação recorrente é a falta de informação e conhecimento para isso.

Para alguns economistas que seguem o modelo da escola nórdica para internacionalização, o medo da exportação pode ser aproveitado de forma estratégica, de forma a aprofundar o conhecimento da empresa a respeito de diversos tipos de mercados estrangeiros.

Eles consideram como uma forma mais fácil e tranquila de se internacionalizar a priorização de mercados de países que possuem idioma, características econômicas, sociais e culturais parecidas, pois quanto maior a proximidade desse mercado estrangeiro ao mercado interno, maior seria a facilidade de se adaptar a ele. Assim, aos poucos se formaria conhecimento prático de gestão para ampliar essas atividades em mercados cada vez menos similares de forma gradual, sendo o foco um desenvolvimento lento, mas que traga poucos riscos, de forma a possibilitar a maximização dos lucros a longo prazo que não seriam possíveis sem esse conhecimento de outros mercados.


A exportação pode ser uma atividade econômica com muitos pontos positivos, sendo um dos principais destaques entre os métodos de ampliação de lucros e inserção em novos mercados. Seja para diminuir dependência do mercado interno, melhorar a produtividade ou expandir horizontes econômicos, ela tem se mostrado como uma ferramenta essencial para certos setores. Entretanto, é comum a falta de conhecimento técnico a respeito dela gerar dúvidas naqueles que, apesar de se encontrarem em setores que podem ser beneficiados pela exportação, sempre estiveram restritos ao mercado nacional e não possuem contato com os aspectos culturais, jurídicos e econômicos de outros países. Portanto, caso tenha interesse em começar a exportar ou queira saber sobre as possíveis boas perspectivas que o seu negócio pode ter em algum mercado específico, conheça os serviços de Análise e Seleção de Mercados Alvo da equipe da Sage - Soluções Globais, a qual é composta por membros capacitados, os quais têm acesso a ferramentas precisas para realizar análises de mercados estrangeiros.


8 visualizações

Quem somos?

Contato

(14) 3414-9629

Av. Higino Muzi Filho, 737 - Mirante, Sala 20, Marília - SP

  • Facebook ícone social
  • Instagram ícone social
  • LinkedIn ícone social